As melhores escolhas de alimentos para pós-treino

0
2966
alimentos para pós-treino

É comum surgirem dúvidas sobre o que comer no pós-treino, além do tempo ideal para fazer esta refeição. Existem diferentes estratégias para este determinado momento e, por isso, é preciso avaliar qual é o seu principal objetivo.

Praticar exercícios físicos aumenta a demanda energética do organismo, e uma alimentação adequada é fundamental para maximizar e melhorar o desempenho esportivo. É que ela que permite a recuperação muscular e estimula outros objetivos, como perda de gordura corporal, hipertrofia e manutenção da saúde. 

A nutricionista Liz Galvão, do Levemente na Cozinha, parceira da Verde Campo, trouxe as melhores opções de alimentos para pós-treino para você nunca mais ter dúvidas sobre o que comer após se exercitar. 

A importância do pós-treino

Durante a pratica exercícios físicos, as reservas de glicogênio (polímero de glicose) muscular são depredadas. Dessa forma, é preciso inserir novas fontes de glicose/carboidrato não apenas antes da prática, mas também após o exercício, para que esses estoques sejam preenchidos novamente. 

Os melhores alimentos para pós-treino

O carboidrato é uma importante fonte de energia, e seu consumo adequado é fundamental tanto para os treinos quanto para a prática de atividades comuns do dia a dia. Isso porque os músculos possuem reservas de glicogênio, responsáveis por fornecer energia. 

Já as proteínas desempenham importante papel nos processos anabólicos, fornecendo os aminoácidos necessários para a construção e manutenção dos tecidos, sendo de extrema importância na formação da massa muscular. 

Uma refeição ideal no pós-treino deve conter, de maneira proporcional, todos os macronutrientes essenciais para potencializar os resultados pretendidos. 

Consumir fontes de carboidrato complexo — como tubérculos, raízes, cereais e frutas —contribuirá para a reposição gradativa do glicogênio muscular. Já incluir uma porção de proteína de boa qualidade fornecerá os aminoácidos essenciais necessários para a manutenção e o aumento da massa muscular. Neste grupo entram carnes, ovos, iogurtes e shakes protéicos, suplementos como o whey protein ou proteínas vegetais, leguminosas, oleaginosas e sementes como amendoim, feijões, tofu (que é um derivado da soja), semente de abóbora, linhaça, chia, castanhas etc.

O consumo das fontes protéicas não necessariamente precisa ser imediatamente após o treino: de 1 a 2h após a prática do exercício é um tempo adequado. Porém, é importante reforçar que, para que se tenha um melhor resultado, o consumo protéico deve ser fracionado de forma homogênea em todas as refeições do dia.   

As gorduras, por sua vez, não devem ser deixadas de lado, apesar de terem que ser consumidas em uma menor proporção quando comparada aos demais macronutrientes, já que são mais calóricas.